Os Milagres da Ciência

Selecionar Indústria


Aplicações Indevidas de Hidrocarbonetos com Halogenados

Ultimamente, temos recebido uma série de questionamentos sobre a possibilidade de misturar hidrocarbonetos com fluidos refrigerantes halogenados. Essas dúvidas, que chegam através dos nossos canais de comunicação, surgem, principalmente, entre os profissionais que atuam na refrigeração doméstica e estão habituados a utilizar o R-134a nos serviços prestados. 

É importante reforçar que a realização de misturas* de distintos fluidos refrigerantes é desaconselhável, já que existe uma série de propriedades diferentes entre a maioria dos produtos. Fazendo uma breve comparação entre o R-134a e o hidrocarboneto R-600a, por exemplo, temos as seguintes diferenças:

  • Composição Química:

R-600a: contém carbono e hidrogênio em sua molécula. (categoria: hidrocarbonetos)
R-134a: contém carbono, hidrogênio e flúor em sua molécula (categoria: halogenados).

 

  • Classificação de Flamabilidade, segundo a norma ASHRAE 34 

R-600a: Classe 3: Alta flamabilidade
R-134a: Classe 1: Sem propagação de chama

 

  • Relação “Pressão x Temperatura” nas condições ASHRAE**: 

R-600a: Evapora a 9,6 psia e condensa a 100,96 psia
R-134a: Evapora a 16,6 psia e condensa a 213,2 psia  

Os dados apresentados acima são apenas alguns indicadores de que esses produtos apresentam, de fato, comportamentos diferentes. Ao misturá-los seria gerado um novo produto, com características novas e variáveis, de acordo com a proporção de cada componente na mistura. Ainda nos casos em que a mistura não seja feita, mas o sistema seja carregado com um fluido para o qual ele não tenha sido projetado, há a possibilidade de ocorrerem diversas falhas mecânicas no equipamento. 

Caso o mecânico opte por converter um equipamento que tenha sido projetado para hidrocarbonetos, este processo deve ser analisado e conduzido com cuidado. Não é possível fazer um simples drop-in. Além das propriedades mencionadas no texto - que evidenciam a diferença entre os produtos – deve-se levar em conta, também, questões como a compatibilidade com materiais e adequabilidade de compressores e demais dispositivos.

Notas:

* As misturas comerciais – denominadas blends se diferenciam das misturas “acidentais” de fluidos refrigerantes, pois são projetados especialmente para uma determinada aplicação, e todas as suas propriedades são mapeadas pelo fabricante.

Saiba mais sobre os problemas gerados pelas misturas indevidas no artigo: O Risco da Mistura Indevida de Fluidos Refrigerantes  

** Condições ASHRAE:

Temperatura de Evaporação = -23,3ºC 
Temperatura de condensação = 54,4ºC